terça-feira, 25 de agosto de 2015

Vocês conhecem os tardígrados?

Há um organismo vivo neste planeta que pode viajar através do espaço sem roupas de proteção.


Tardigrado (do latim: tardus, lento + gradus, passo) é um filo de pequenos animais segmentados, relacionados com os artrópodes. Popularmente são conhecidos como ursos-d'água ou como tardígrados, um aportuguesamento derivado do nome do filo. Foram descritos pela primeira vez por J.A.E. Goeze em 1773. O nome Tardigrada foi dado por Spallanzani em 1776. São em maioria fitófagos, mas alguns são predadores, como o Milnesium tardigradum.

Esses pequenos e fofos invertebrados despretensiosos geralmente passam seus dias rastejando em pedaços de musgos molhados em uma floresta, ou em nossos vastos oceanos.

Cientistas têm relatado a presença de tardígrados em fontes termais, no topo do Himalaia, sob camadas de gelo sólido e no leito dos oceanos. Algumas espécies podem ser encontradas em ambientes mais amenos, como lagos e campos, enquanto outras podem ser encontradas em paredões rochosos e até mesmo em telhados. Tardígrados são mais comuns em ambientes úmidos, mas podem permanecer ativos onde quer que consigam reter alguma umidade.

Eles só crescem até cerca de 1,5 milímetros de comprimento, mas mais de 1.000 espécies desses animais habitam o planeta, e todos eles têm algo em comum: são os animais mais resistentes do planeta. E também são considerados como a espécie mais “alienígena” que vive no planeta, isso porque eles podem suportar temperaturas tão frias quanto as nitrogênio líquido (-210 ºC) ou tão quentes como caldeiras de vulcões, doses de radiação que matam um ser humano 100 vezes, prosperam no vácuo do espaço, e sobrevivem sem água por ano.


Tardígrados aperfeiçoaram uma forma extrema de hibernação chamada criptobiose, o que significa que eles podem expelir toda a água de suas células e entrar em um estado de animação suspensa quando eles saem da água (que é onde normalmente vivem). Eles geralmente só vivem por cerca de um mês quando deixados em um estado ativo, mas uma vez que eles se “secam”, eles podem sobreviver às condições mais severas do mundo, podendo sobreviver durante décadas.

Hypsibius dujardini visto com um microscópio eletrônico
O genoma dos tardígrados varia em tamanho, indo de aproximadamente 75 a 800 pares de megabases de DNA. O genoma de uma espécie de tardígrado, Hypsibius dujardini, está sendo sequenciado no Broad Institute. Hypsibius dujardini tem um genoma compacto e um tempo de geração de duas semanas e pode ser cultivado indefinidamente e criopreservado.

Evoluir para viver através do frio, calor e seca faz sentido – estes tipos de condições ocorrem o tempo todo na Terra. Mas e a radiação extrema? Vácuo? Alguns cientistas acreditam que essas características são apenas um subproduto de sua hibernação, mas na verdade isso permanece um mistério.

Seriam os tardígrados alienígenas de um mundo distante, que vieram à Terra em um asteroide?


C. elegans
Provavelmente não – eles são geneticamente relacionados com o bem conhecido verme C. elegans. Mas em 2007, a Agência Espacial Europeia enviou os pequenos tardígrados em órbita como parte da missão Biopan-6 para ver o quão bem eles viveriam acima de sua terra natal, expostos ao espaço exterior, sem nenhuma proteção e, adivinha, eles se adaptaram surpreendentemente bem. Se um humano fosse exposto às mesmas condições, seus líquidos corporais ferveriam e seus órgãos explodiriam em questão de segundos.

5 comentários:

  1. Não conhecia. Muito interessante.Obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São seres enigmáticos e incríveis =D

      Nós que agradecemos pelo comentário e ter gostado do incrível Tardigrado =)

      Abraços da Equipe BioOrbis.

      Excluir
  2. Maravilhoso isso. Não tem como nos modificarem apartir desses genes. Gostaria de ter esses supers poderes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KKKKK todos nós queriamos ter esses super poderes Isabel. Mas seu ponto de vista de pegar os genes deles é bem interessante.

      Grande abraço e agradecemos pelo comentário.

      Equipe BioOrbis.

      Excluir