sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Extinção: O Mundo em Perigo [ZONA 2]

Continuação da postagem ‘Extinção: O Mundo em Perigo [ZONA 1]’, agora será a ZONA 2: Região Neo-Ártica.


VAMOS DESCOBRIR...

Extinção, uma palavra que para nós humanos é uma coisa temida desde a alvorada das descobertas da ciência. Ela é um processo natural, e a maioria dos animais e plantas que evolui durante milhões de anos desde o início da vida está agora extinta. No entanto, ao longo dos últimos 400 anos, a taxa de extinção está sendo acelerada em velocidade desastrosa.

A cada dia, a cada hora e a cada minuto espécies no mundo inteiro são extintas. Mais de 5. 000 espécies animais estão atualmente ameaçadas, e os cientistas predizem que, se a atual tendência no meio ambiente continuar, uma em cada quatro espécies vegetais poderá estar extinta em torno do ano 2050. E este problema não se restringe somente às florestas tropicais, também em outras localidades, como na Europa, 380 espécies de borboletas estão ameaçadas, 15 estão praticamente extintas.

CAUSAS DA EXTINÇÃO

Destruição do ambiente natural

Um número cada vez maio de plantas e animais está sendo ameaçado ou até mesmo extinto, e a causa principal é a perda do seu ambiente ou habitat.


Um outro fator que pode também ser uma causa para a extinção de animais e plantas é a desigualdade econômica entre os países. Esse fato contribuiu, por exemplo, para o trágico desaparecimento das florestas nas regiões tropicais do mundo, causado pela exploração de madeiras de lei, como o mogno. Muitos grupos de preservação ambiental nas nações ricas, proibiram a importação de madeira tropical, mas para muitos países pobres a floresta tropical figura entre os poucos recursos que geram a entrada de capital estrangeiro necessário para a importação de produtos essenciais.

Caça

A caça sempre causaram a extinção das espécies. Leões foram totalmente dizimados da Grécia na Idade do Bronze, e os ursos e castores desapareceram da Grã-Bretanha em torno do século XII. A caça por marfim, peles e outros produtos raramente foi bem controlada e até hoje causa extinção de espécies.

Poluição

Nosso alimento está contaminado por pesticidas e produtos químicos jogados pelas indústrias nos rios e no solo. Os vazamentos de óleo no mar causam mortalidade de pássaros e mamíferos. A poluição do ar é ainda mais grave, pois os gases expelidos pelas indústrias sobem para a atmosfera e retêm o calor do sol, criando o efeito estufa. O fato de que esses gases resultarão no aquecimento do globo é uma preocupação mundial, mas é desacreditada de alguns cientistas.

CONSERVAÇÃO

Qualquer que seja a justificativa para a conservação da vida selvagem e do meio ambiental, uma coisa é certa: a destruição não pode continuar, nem mesmo algumas décadas mais, sem que haja o colapso de ecossistemas completos e de populações humanas inteiras.


A biodiversidade é um fator fundamental para a vida no planeta, tanto em vista do ponto Biológico quanto do ponto vista Natural, Genético, Físico e Químico, para a vida sustentável no planeta Terra.

Agora abaixo algumas espécies que correm o risco de extinção que talvez vocês não sabiam. Região biogeográfica - [ZONA 2]

ZONA 2: REGIÃO NEO-ÁRTICA

Fonte da imagem - Wikipédia
A região Neo-ártica (norte do Novo Mundo) engloba o Canadá, a Groenlândia, os EUA, e partes do México. Florestas decíduas pantanosas, pradarias, montanhas, desertos, florestas de coníferas e a tundra do Ártico formam uma paisagem maravilhosamente variada, apesar das alterações introduzidas pela colonização europeia.

CASTOR CANADENSE (Castor canadensis)


No início da colonização da América do Norte pelos europeus, o castor canadense era o mais importante produto de exportação e, por esse motivo, foi sistematicamente exterminado em grande parte do continente. Com os programas de conservação e controle, suas populações foram recuperadas ou relocadas na maior parte da sua ocorrência original.

Ocorrência: Canadá

Grau de ameaça: Pouco preocupante (IUCN)

Tamanho: 1 m

Cor: De marrom-escuro a preto.


ÁGUIA-CALVA (Haliaeetus leucocephalus)

Fonte da imagem: Keyword-suggestion

Embora seja ave nacional norte-americana e esteja representada no grande emblema dos EUA, a águia-calva já foi muito perseguida. As populações também entraram em colapso nas décadas de 1950 e 1960 devido ao envenenamento por pesticidas. No entanto, sua recuperação foi bem-sucedida e agora, ela é abundante.

Ocorrência: América do Norte.

Grau de ameaça: Pouco preocupante (IUCN)

Tamanho: 90 cm.

Cor: Marrom-escuro a preto com cabeça branca e bico amarelo-dourado.


CROCODILO AMERICANO (Crocodylus acutus)

 Fonte da imagem: Leeson

Este é o crocodilo que vive mais ao norte. O número de animais reduziu-se devido à caça ilegal por causa de sua pele. Seu habitat foi destruído, e muitos morrerem atropelados por veículos a motor.

Ocorrência: Flórida, Cuba, Jamaica, México e Peru.

Grau de ameaça: Vulnerável (IUCN)

Tamanho: 6 m

Cor: castanho-escuro a marrom-oliva intenso.


ONÇA-PARDA (Puma concolor)


Onça-parda é uma espécie pequena de leão da montanha. Está seriamente ameaçada e, como muitas morrem atropeladas por veículos, talvez não haja maneira de recuperar a espécie.

Ocorrência: Américas Norte, Central e do Sul

Grau de ameaça: Pouco preocupante (IUCN)

Tamanho: 60 – 90 cm

Cor: Bege-escuro e marrom-claro.


TARTARUGA-VERDE (Chelonia mydas)

Fonte da imagem: fine arte america

Atualmente existe, na Flórida, uma quantidade inferior a 1.000 tartarugas fêmeas se reproduzindo, mas anteriormente havia número muito maior de ninhadas.

Ocorrência: Principalmente em zonas tropicais. Distribuição nos oceanos Atlântico e Pacífico.

Grau de ameaça: Em perigo (IUCN)

Tamanho: 1,5 m

Cor: Marrom-escuro a verde-oliva.


BISÃO AMERICANO (Bison bison)

Fonte da imagem: Wikipédia

A vasta área de planícies da América do Norte já foi rota para migração de milhões desses animais. No final do século XIX, eles estavam quase extintos. Graças aos métodos de preservação desenvolvidos por entusiastas, um pequeno rebanho ficou protegido no Parque Nacional de Yellowstone e, dessa maneira, foram sendo restabelecidas manadas em outros locais.

Ocorrência: América do Norte (Alasca, Canadá e EUA)

Grau de ameaça: Quase ameaçada (IUCN)

Tamanho: 3 m e 620 kg

Cor: Marrom-escuro com pelos pretos na face.


GALO-DA-PRADARIA-DE-ATTWATER (Tympanuchus cupido attwateri)

Fonte da imagem: Endangered Species Program

Esta espécie já somou milhões. Em torno de 1989 foi reduzida a cerca de 500 e parece que há poucas esperanças para ela, a não ser que o estado do Texas preteja a pradaria ainda não afetada.

Ocorrência: Texas e Luisiana, na América do Norte.

Grau de ameaça: Vulnerável (IUCN)

Tamanho: 45 cm

Cor: Sarapintada de marrom e branco.


JAGUARUNDI (Herpailurus yagouaroundi)

Fonte da imagem: SubSCribe.Ru

Felino pequeno cuja pelagem pode apresentar várias cores. Originalmente encontrado em toda a América do Sul e Central, hoje se restringe a áreas isoladas no extremo norte do território que se estende pela América Central e pela maior parte da América do Sul.

Ocorrência: América Central e América do Sul.

Grau de ameaça: Pouco preocupante (IUCN)

Tamanho: 70 cm

Cor: Pelo cinza e marrom-prateado.


AXOLOTLE (Ambystoma mexicanum)

 Fonte da imagem: Wikimedia Commons

É um animal comum em aquários, criado geralmente a partir de uma linhagem albina. Pode permanecer em seu estado larval, com guelras, a vida inteira. Esta salamandra era comum nos lagos de terras altas no México, mas foi caçada como alimento e devorada por trutas introduzidas naqueles locais.

Ocorrência: México

Grau de ameaça: Criticamente em Perigo (IUCN)

Tamanho: 25 cm

Cor: Coral-claro a branco com superfície das guelras vermelhas.


CONDOR-CALIFORNIANO (Gymnogyps californianus)

 Fonte da imagem: Tom & Pat Leeson

Tornou-se extinto na natureza em 1987, quando o último exemplar foi capturado para juntar-se a outros 26 condores, em um programa de reprodução em cativeiro. A corrida do ouro levou muitas pessoas a seu território, os condores foram abatidos junto com a maioria dos mamíferos grandes que constituíam o alimento dessas aves.

Ocorrência: Califórnia, EUA

Grau de ameaça: Criticamente em Perigo (IUCN)

Tamanho: 90 cm

Cor: Penas brancas e pretas com cabeça laranja-avermelhada.


ALCE AMERICANO (Cervus canadensis)

 Fonte da imagem: Ferrebeekeeper

As maiores manadas de alces são encontradas no vale de Owens, na Califórnia. Outros rebanhos estabeleceram-se ao sul de São Francisco. Sob proteção, essa espécie está lentamente aumentando.

Ocorrência: Califórnia, EUA.

Grau de ameaça: Pouco preocupante (IUCN)

Tamanho: 2 m

Cor: Cinza-prateado e marrom.


MONSTRO-DE-GILA (Heloderma suspectum)

Fonte da imagem: Polyploid.net

É o único lagarto venenoso encontrado nos EUA. Embora seu veneno seja raramente fatal para o ser humano, ele tem sido perseguido e capturado para ser comercializado como animal de estimação.

Ocorrência: Sudoeste dos EUA

Grau de ameaça: Quase ameaçada (IUCN)

Tamanho: 45 cm

Cor: Preto com padrão de asnas amarelo-vivo e laranja.


CODORNA MASCARADA (Colinus virginianus)

Fonte da imagem: Nature Notes

Subespécie característica da codorna norte-americana. Confinada ao estado mexicano de Sonora, habita regiões em que há arbustos e cactos no deserto com densa vegetação rasteira. Hoje ela já está com uma população estabilizada mas ainda corre risco devido o gado das fazendas próximas as reservas ambientais.

Ocorrência: México e EUA

Grau de ameaça: Quase ameaçada (IUCN)

Tamanho: 20 cm

Cor: Plumagem de peito marrom-alaranjada, asas sarapintadas em marrom e uma “máscara” branca em torno dos olhos.


ANTILOCABRA (Antilocapra americana)

 Fonte da imagem: AllPosters

Este antílope vivia em grandes quantidades nos desertos do Arizona até que o gado foi introduzido. Troca os chifres anualmente e está entre os animais mais velozes da Terra. Caçada de maneira excessiva, agora compete por alimento com animais domésticos.

Ocorrência: Califórnia, Arizona, México

Grau de ameaça: Pouco preocupante (IUCN)

Tamanho: 81 – 100 cm

Cor: Castanho-claro com desenho branco no peito e no ventre.


URSO-NEGRO (Ursus americanus)

Fonte da imagem: Magnus Kimball

Este urso da baía de Yukatat no noroeste da costa do Pacífico é também conhecido como urso polar ou azul. A população é pequena, mas aparentemente estável.

Ocorrência: Alasca e noroeste do Canadá.

Grau de ameaça: Pouco preocupante (IUCN)

Tamanho: 2 m.

Cor: Azul-escuro, quase preto com focinho marrom mais claro.


CISNE-TROMBETEIRO (Cygnus buccinator)

Fonte da imagem: Fazenda Visconde

Esta ave costumava invernar nas costas leste e oeste, e acasalar na região dos Grandes Lagos, no leste. Confinada na virada do século, às Montanhas Rochosas, atualmente está em expansão.

Ocorrência: Wyoming e Montana, EUA.

Grau de ameaça: Pouco preocupante (IUCN)

Tamanho: 1 m

Cor: Branco com penas amareladas nas asas e pescoço.

Vimos que muitas espécies estão em alto risco de desaparecerem totalmente da Terra, mesmo a Extinção sendo um processo natural, nós humanos aceleramos esse processo. Mas vimos também que muitos estão em recuperação e saíram do maior risco para o menor, mas ainda tem risco. Por isso é nosso dever conservar e preservar, pois a Biodiversidade é um fator fundamental para a manutenção da Vida na Terra.

 https://bio-orbis.blogspot.com.br/2013/12/extincao-o-mundo-em-perigo.html


PARA FICAR LIGADO NAS ESPÉCIES AMEAÇADA DE EXTINÇÃO, SIGA PARA A PRÓXIMA POSTAGEM QUE ENGLOBA ESPÉCIES DA ZONA 3: REGIÃO NEOTRÓPICA. CLIQUE NA IMAGEM ABAIXO PARA ACESSAR:
 https://bio-orbis.blogspot.com/2017/09/extincao-o-mundo-em-perigo-zona-3.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário