terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Réptil ancestral pode abrir lacunas sobre a evolução dos dinossauros

Uma equipe de paleontólogos liderados pelo Dr. Sterling Nesbitt de Virginia, descreveu um novo gênero e espécie de dinossauros que viveram no que é hoje a sul da Tanzânia, durante o início do Triássico, cerca de 247 milhões ano atrás.


Fonte da imagem: wallstreethedge.

VAMOS DESCOBRIR...

O novo "dinossauro", chamado de Nundasuchus songeaensis, é um réptil predador de 2,7 m de comprimento, com dentes afiados cortadores e placas ósseas na parte de trás. Infelizmente os fósseis nunca são encontrados inteiros.

O nome Nundasuchus songeaensis é Swahili misturado com o grego. "O significado básico de Nundasuchus é predador crocodilo (Nunda significa predador em Swahili e suchus uma referência a um crocodilo em grego)", explicou o Dr. Nesbitt, que é o primeiro autor de um artigo publicado no Journal of Vertebrate Paleontology.

"O nome songeaensis vem da cidade, Songea, perto de onde foram encontrados os ossos fósseis", disse ele.

Nundasuchus songeaensis não é um dinossauro, mas um dos grandes répteis que viveram antes dos dinossauros assumirem o mundo.

 https://bio-orbis.blogspot.com/2015/02/reptil-ancestral-pode-abrir-lacunas.html
Fonte da imagem - MailOnline.

O corpo pesado e membros sob seu corpo são como o de um dinossauro, mas com as placas ósseas em suas costas são como de um crocodilo.

"Nundasuchus songeaensis representa um dos primeiros arcossauros mais completos do Triássico do sul da Pangea e faz parte de um grupo diversificado não reconhecido anteriormente."

"A idade do réptil e da combinação de caráter afirma possuir elucidar alguns pontos interessantes sobre a evolução inicial dos dinossauros."

"Os dinossauros representam uma nova combinação de estados de caráter que não são encontrados juntos nos archosauriformes previamente conhecidos e não teriam sido previstos pela nossa visão atual da sistemática dos Arcossauros."

Esqueleto de Nundasuchus songeaensis, ilustrando os elementos fósseis  encontradosBarra de escala - 50 cm. Crédito da imagem: Sterling Nesbitt / Sci-News.com.

O esqueleto parcial do réptil foi descoberto no sudoeste da Tanzânia, em 2007.

"Apesar de terem sido encontrados um grande número de ossos do esqueleto, a maior parte do crânio não foi recuperado, apesar de três viagens para o local e mais de 1.000 horas gastas cuidadosamente montando os ossos de volta juntos e limpá-las," disse o Dr. Nesbitt.

"Há uma enorme lacuna em nosso entendimento em torno do momento em que o ancestral comum de aves e crocodilianos estavam vivos - não há muito lá fora, no registro fóssil de que parte da árvore de família dos répteis", disse ele.

"Isso nos ajuda a preencher algumas lacunas na árvore genealógica dos répteis, mas ainda estamos estudando isso e descobrir as implicações."

Fonte: Sri-News.com.

PARA VER MAIS DE NOSSAS POSTAGENS ACESSEM E SIGAM NOSSAS COLEÇÕES NO GOOGLE+ (CLIQUEM NAS IMAGENS ABAIXO PARA SEGUIR):

 https://plus.google.com/collection/oV6cQB https://plus.google.com/collection/UNFrQB

 https://plus.google.com/collection/YU0mQB https://plus.google.com/collection/cI6dQB

E VENHAM DESCOBRIR MAIS TAMBÉM (CLIQUEM NOS TÍTULOS OU NAS IMAGENS PARA ACESSAR OS LINKS):

O registro fóssil do cuidado parental

 https://bio-orbis.blogspot.com.br/2015/01/o-registro-fossil-do-cuidado-parental.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário