terça-feira, 11 de novembro de 2014

Molécula de carrapato pode ajudar no combate ao câncer

Uma molécula produzida a partir da saliva do carrapato Amblyomma cajennense, conhecido como carrapato-estrela, pode ajudar no desenvolvimento de um medicamento contra o câncer. A descoberta foi feita por pesquisadores do Instituto Butantan, da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo.

 https://bio-orbis.blogspot.com/2014/11/molecula-de-carrapato-pode-ajudar-no.html

VAMOS DESCOBRIR...

Pesquisas identificaram que a proteína encontrada no parasita era capaz de destruir tumores cancerígenos sem causar danos a células saudáveis. O estudo obteve sucesso em camundongos e coelhos e aguarda autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para testar a nova droga em humanos.

Para coordenadora da pesquisa Ana Marisa Chudzinski-Tavassi, responsável pelo Laboratório de Bioquímica e Biofísica do instituto, os resultados obtidos em dez anos de pesquisa indicam que há regressão significativa e até mesmo a cura de tumores no pâncreas, no rim e na pele. Ela lembra, no entanto, que os testes em animais são feitos em ambiente totalmente controlado. "[No laboratório] eu sei quanto injetei de célula tumoral no animal, quanto tempo depois eu comecei a tratar. Isso não é a realidade de um paciente. Você tem que fazer isso [testar em humanos] para provar que a molécula funciona", disse.

Células tumorais. Fonte da imagem: Banco da Saúde.

Os estudos mostraram que, em animais saudáveis, a molécula foi rapidamente eliminada pelo organismo. No entanto, quando injetada em animais com câncer, se ligou diretamente ao tumor e demorou a ser excretada. "Ao analisar as proteínas que induzem à morte desse tumor, eu vejo que, sim, as células foram acionadas pela molécula. A gente está bastante animado com isso", declarou Chudzinski-Tavassi. Ela explica que é preciso investigar se haverá necessidade de combinar o medicamento com outros tipos de tratamentos já estabelecidos, como a quimioterapia. "Ainda não é possível dizer se vamos conseguir ter um resultado melhor em humanos somente com a molécula".

A descoberta da célula foi uma surpresa, de acordo com a pesquisadora. Ela conta que, inicialmente, a intenção era buscar moléculas capazes de produzir novos anticoagulantes. "Queríamos saber o que tinha no sistema desse carrapato que mantinha o sangue incoagulável. Se ele é hematófago [parasita que se alimenta de sangue], ele necessariamente tem algo ou que impede a coagulação ou que destrói coágulos já formados", explicou. Durante o processo, percebeu-se que a molécula poderia atuar na proliferação celular. "Aí foi a surpresa. Começamos a testar tipos de células tumorais e [a molécula] sempre matava células tumorais e não matava as normais", relatou.


Amblyomma cajennense. Fonte da imagem: Controle de carrapatos.

Ao mudar o foco da pesquisa, o instituto solicitou a patente em território nacional e internacional, pois não havia registro dessa molécula. Nas etapas que se seguiram, os pesquisadores estabeleceram uma metodologia de produção escalonável. "Se vamos propor uma nova molécula, temos que ter um sistema de produção que dê conta, para virar de fato um medicamento", explicou a coordenadora. Além disso, foi feita a formulação, que é a transformação da molécula em produto. "Foi analisada a estabilidade, para ter certeza de que é possível mantê-lo em um frasco por um tempo determinado para que possa viajar e chegar ao destino", detalhou. Até o momento, todos os testes foram bem sucedidos.

Fonte: Planeta Sustentável

NÃO PARE AGORA, POIS AQUI EM BAIXO SEMPRE TEM MUITO MAIS (CLIQUEM NOS TÍTULOS OU NAS IMAGENS PARA ACESSAR OS LINKS):

Rato-toupeira-pelado e o câncer

 https://bio-orbis.blogspot.com.br/2014/01/rato-toupeira-pelado-e-o-cancer.html


 https://bio-orbis.blogspot.com.br/2015/07/sera-que-ciencia-pode-salvar-as-abelhas.html


Uma esperança contra a diabetes e câncer

 https://bio-orbis.blogspot.com.br/2015/06/uma-esperanca-contra-diabetes-e-cancer.html


Pigmentos de flores fluorescentes podem ajudar no tratamento de malária e câncer

 https://bio-orbis.blogspot.com.br/2015/04/pigmentos-de-flores-fluorescentes-podem.html


E VENHAM SEGUIR NOSSAS COLEÇÕES NO G+, É SÓ CLICAR NAS IMAGENS ABAIXO PARA ACESSAR OS LINKS:

 https://plus.google.com/collection/0LmdQB https://plus.google.com/collection/Ut3sQB https://plus.google.com/collection/o3mmQB

3 comentários:

  1. Quem diria ....
    Ha tempos atrás este inseto era considerado vilão
    por produzir a febre maculosa , se não me engano.
    abs
    Kiko

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Emilio, considerado atê como praga. Mas a natureza está ai, podemos achar todo tipo de coisa nela, pois tudo que usufruímos vem dela, já à usamos desde os primórdios, podemos achar todas as curas das doenças, quem sabe.

      Equipe BioOrbis.

      Excluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir