quarta-feira, 2 de março de 2016

O Vírus Dengue

Dengue, uma palavra que vocês já estão cansados de ouvir e ninguém quer pegar essa doença. Mas é bom conhecer para prevenir.

Aedes aegypti - Wikipedia 
A Dengue é uma doença tropical infecciosa causada pelo vírus da dengue, um arbovírus da família Flaviviridae, gênero Flavivírus e que inclui quatro tipos imunológicos: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4. É transmitida por várias espécies de mosquito do gênero Aedes, principalmente o Aedes aegypti.

O vírus tem quatro tipos diferentes e a infecção por um deles dá proteção permanente para o mesmo sorotipo e imunidade parcial e temporária contra os outros três. Um contágio subsequente por algum tipo diferente do vírus aumenta o risco de complicações graves no paciente.

O vírus tem como hospedeiros vertebrados o ser humano e outros primatas, mas somente o primeiro apresenta manifestação clínica da infecção e período de viremia de aproximadamente sete dias. Nos demais primatas, a viremia é baixa e de curta duração.

HISTÓRIA

O vírus da dengue, provavelmente, se originou de vírus que circulavam em primatas não humanos nas proximidades da península da Malásia. O crescimento populacional aproximou as habitações da região à selva e, assim, mosquitos transmitiram vírus ancestrais de primatas a humanos que, após mutações, originaram os quatro diferentes tipos de vírus da dengue atuais.

O primeiro registro de um provável caso de dengue foi publicado numa enciclopédia médica chinesa da época da dinastia Jin (265-420). Os chineses se referiam à doença como "veneno da água" e sabiam que havia alguma associação com insetos voadores.

Em 1906, a transmissão por mosquitos do gênero Aedes foi confirmada. No ano seguinte, em 1907, foi demonstrado que a dengue é causada por um vírus, tornando-a a segunda doença na história, depois da febre amarela, de etiologia viral confirmada.

ETIMOLOGIA

A origem da palavra "dengue" não é clara, mas uma das teorias afirma que o termo é derivado da frase Ka-Dinga pepo, no idioma africano suaíli, que descreve a doença como sendo causada por um "espírito do mal".

SINAIS E SINTOMAS

Normalmente, as pessoas infectadas com o vírus da dengue são assintomáticas (cerca de 80%) ou apenas apresentam sintomas leves, como uma febre simples. Outros pacientes apresentam a doença de modo mais grave (5%) e uma pequena proporção tem risco de morte. O período de incubação (tempo entre a exposição e o aparecimento dos sintomas) varia de 3 a 14 dias, mas na maioria das vezes é de 4 a 7 dias.

Sintomas - Wikipedia
Os sintomas característicos da dengue são febre de início súbito, dor de cabeça (normalmente localizada atrás dos olhos), dores musculares e articulares, além de erupções cutâneas. O nome alternativo para a dengue, "febre quebra-ossos", vem da dor causada em músculos e articulações.  Em uma pequena proporção de casos, a doença pode evoluir para a dengue hemorrágica com risco de morte, resultando em sangramento, baixos níveis de plaquetas sanguíneas, extravasamento de plasma no sangue ou até diminuição da pressão arterial a níveis perigosamente baixos.

O Vírus Dengue visto pelo microscópio 
eletrônico (círculos vermelhos) – Wikipedia
O VÍRUS, O VERDADEIRO VILÃO

Classificação científica:

Reino: Vírus
Família: Flaviviridae
Gênero: Flavivirus
Espécie: Virus Dengue

O vírus da dengue é um arbovírus da família Flaviviridae, gênero Flavivirus, que inclui quatro tipos imunológicos: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4, causador da dengue. A infecção por um deles dá proteção permanente para o mesmo sorotipo e imunidade parcial e temporária contra os outros três. A dengue tem, como hospedeiro vertebrado, o homem e outros primatas, mas somente o primeiro apresenta manifestação clínica da infecção e período de viremia de aproximadamente sete dias. Nos demais primatas, a viremia é baixa e de curta duração.

TRANSMISSÃO

Aedes aegyptiRadioSuperFM
A transmissão se faz pela picada do mosquito Aedes aegypti. Eles normalmente picam durante o dia, principalmente no início da manhã e à noite, mas são capazes de morder e espalhar a infecção em qualquer hora do dia, durante todo o ano. Entre as outras espécies de Aedes que transmite a doença estão o A. albopictus, o A. polynesiensis e o A. scutellaris. Os seres humanos são o principal hospedeiro do vírus, mas também circula em primatas.

Não há transmissão por contato direto de um doente ou de suas secreções com uma pessoa sadia, nem de fontes de água ou alimento.

TRATAMENTO

Não há nenhuma droga antiviral específica para a dengue, portanto manter o equilíbrio hídrico (hidratação) adequado é importante para o paciente. O tratamento depende dos sintomas apresentados, variando desde terapia de reidratação oral em casa com acompanhamento até a internação com a administração de fluidos intravenosos e/ou transfusão de sangue. A decisão de internação hospitalar geralmente é baseada na presença dos "sinais de alerta" listados acima, especialmente em pessoas com condições de saúde preexistentes.

VACINA

A vacina contra a dengue já existe e teve sucesso em testes realizados em humanos. A empresa francesa Sanofi Pasteur conseguiu criar uma vacina com o vírus atenuado da dengue, sendo esta eficaz contra os 4 tipos existentes da dengue.

Vacina – TuaSaúde
Em laboratório os cientistas conseguiram produzir um vírus atenuado da dengue e fizeram uma vacina com ele, composta por 3 doses que devem ser dadas com intervalo de 6 meses.

No Brasil, o Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Instituto Butantan também estão tentando desenvolver uma vacina contra a dengue que seja totalmente eficaz contra os 4 subtipos da doença, estando prevista a sua comercialização em 2016. Atualmente estão sendo feitos testes em várias cidades brasileiras para avaliar a segurança e eficácia da vacina, que aparentemente protege 66% da doença e tem se mostrado eficaz entre pessoas entre 9 e 45 anos de idade.

PREVENÇÃO

Antes que a vacina seja produzida e liberada para a população, a melhor maneira ainda é controle e da proteção contra as picadas do mosquito transmissor.

A Organização Mundial da Saúde, recomenda um programa integrado de controle e prevenção que consiste em cinco itens:

1 - Advogar e criar mobilização social e legislação para assegurar que os organismos e as comunidades de saúde pública sejam reforçadas;

2 - A colaboração entre a saúde e outros setores (público e privado);

3 - Uma abordagem integrada para o controle da doença e para maximizar a utilização dos recursos;

4 - Tomada de decisão baseada em evidências para assegurar que quaisquer intervenções sejam direcionados de forma adequada, e

5 - Desenvolvimento das capacidades para garantir uma resposta adequada à situação local.

Prevenção – Colmeia
Para o controle da população dos insetos, remenda-se não deixar água parada em recipientes que possam servir de reservatório para a procriação. O combate ao mosquito recomenda-se repelentes, mata mosquitos, telas pra mosquitos e entre outros.

Mas a melhor maneira para se controlar a população, ainda mais se tratando de um inseto, são seus predadores naturais, que incluem aranhas, lagartixas, libélulas, anfíbios e entre outros. Matando esses animais acabara que aumentará a população do mosquito, causando assim um desequilíbrio, e causando possivelmente uma epidemia.

Cada um fazendo sua parte todos serão beneficiados e assim gerando um controle e saúde e bem estar para todos.


Fonte: Dengue.org

2 comentários:

  1. É DE GRANDE VALIA ESTE DOCUMENTÁRIO, FICO MUITO AGRADÉÇIDO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente precisamos ficar informados acerca desse vírus sempre. Agradecemos pelo comentário, um grande abraço, equipe BioOrbis.

      Excluir