domingo, 15 de novembro de 2015

O que é uma barragem de rejeito?

Para entender melhor de como é, e como funciona.


VAMOS DESCOBRIR...

Uma barragem de rejeito é uma estrutura de terra construída para armazenar resíduos de mineração, os quais são definidos como a fração estéril produzida pelo beneficiamento de minérios, em um processo mecânico e/ou químico que divide o mineral bruto em concentrado e rejeito. O rejeito é um material que não possui maior valor econômico, mas para salvaguardas ambientais deve ser devidamente armazenado.

As características dos rejeitos variam de acordo com o tipo de mineral e de seu tratamento em planta (beneficiamento). Podem ser finos, compostos de siltes e argilas, depositados sob forma de lama, ou formados por materiais não plásticos, (areias) que apresentam granulometria mais grossa e são denominados rejeitos granulares. Os rejeitos granulares são altamente permeáveis e contam com uma boa resistência ao cisalhamento, enquanto os rejeitos de granulometria fina, abaixo de 0.074mm (lamas), apresentam alta plasticidade, alta compressibilidade e são de difícil sedimentação.

O rejeito em forma de polpa passa por três etapas de comportamento:

- Comportamento de lâmina líquida, com floculação das partículas de menor tamanho.

- Em processo de sedimentação, apresentando comportamento semilíquido e semi-viscoso.

- Em processo de adensamento, comportando-se como um solo. É importante mencionar que o rejeito não é propriamente um solo, mas para fins geotécnicos seu comportamento é considerado equivalente a de um solo com características de baixa resistência ao cisalhamento.

TRANSPORTE E DESCARGA DE REJEITOS

Os rejeitos são transportados em forma de polpa, sendo algumas vezes por gravidade através de canais ou por meio de tubulações, com ou sem sistemas de bombeamento, dependendo das elevações relativas entre a planta de beneficiamento e o local onde será descartado. 

Métodos de descarga perimetral a) pontos múltiplos (spigotting); b) descarga pontual. Adaptado de: PUC-Rio – Certificação Digital Nº 1012285/CA.
O sistema de tubulação é dimensionado com base na velocidade mínima de fluxo necessária para evitar que as partículas no estado sólido do rejeito se sedimentem e obstruam a tubulação. Esta velocidade depende tanto da densidade da polpa, como do tamanho das partículas, variando aproximadamente entre 1.5 a 3.0 m/s. Atualmente, se usam tubulações de polietileno de alta densidade (HDPE).

COMPORTAMENTO DE REJEITOS

O rejeito passa por uma série de transformações físicas ao longo do tempo durante sua disposição, conforme apresentado na tabela a seguir:

Tabela: Importância do fenômeno durante o ciclo de operabilidade (adotado do Lopes de Oliveira e Zyl, 2006). Adaptado de: PUC-Rio – Certificação Digital Nº 1012285/CA.
SEGREGAÇÃO HIDRÁULICA

A segregação hidráulica é um processo de disposição onde partículas de diferentes tamanhos são dispostas a distâncias específicas em relação ao ponto de lançamento. A segregação hidráulica apresenta um efeito direto na distribuição granulométrica e nas condições de fluxo ao longo da praia.


No processo de disposição de rejeitos, normalmente o intervalo de tempo entre o lançamento de camadas consecutivas é suficiente para permitir o ressecamento da camada anterior lançada. À medida que o grau de saturação diminui, a sucção desenvolvida pode ser suficientemente alta para aumentar a resistência do material, formando um perfil geotécnico com características de pré-adensamento, o que contribui na minimização de recalques após o final da disposição.

Ressecamento da superfície do reservatório de rejeito (Bhering, 2006). Adaptado de: PUC-Rio – Certificação Digital Nº 1012285/CA.
SEDIMENTAÇÃO

No momento da disposição dos rejeitos, algumas regiões da camada tornamse mais densas que outras, dependendo do tipo de disposição. Disposições turbulentas tenderiam a provocar maiores índices de vazios nas camadas.

ADENSAMENTO

Adensamento é o processo que envolve a ocorrência de deformações e aumento da tensão efetiva no material, com o consequente aumento de sua resistência, devido à dissipação dos excessos de poropressão ao longo do tempo. A polpa depositada no reservatório possui considerável quantidade da água no momento de sua disposição, sendo fundamental a existência de um sistema de drenagem eficiente para garantir a ocorrência do adensamento.

Um comentário:

  1. Como é o consumo de água pela mineradora, seu uso para transporte do minério, para a limpeza e separação de resíduos, o esgotamento de mananciais, o prejuízo para a população urbana ( pagando mais caro por uma água cada vez mais rara ), a falta de fiscalização e conivência de políticos com a empresas, multas, impostos e preços das commodities impostos pelos próprios compradores, os outros minérios que são retirados juntos com o ferro sem forma de fiscalização, o abandono de áreas já esgotadas sem devido remanejo ambiental, população afetada pela mineração irresponsável ( vaso da Bacia do Rio Doce ), barragens de rejeito prestes a se romper com riscos ainda maiores dos que já aconteceram?

    ResponderExcluir