segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Plantas carnívoras e morcegos, uma interação mutualista

O estudo, publicado na revista Current Biology, mostra que as plantas carnívoras têm estruturas reflexivas que são acusticamente atraentes para os morcegos mutualistas. É mais um exemplo fascinante de como a natureza e evolução resolvem problemas.


VAMOS DESCOBRIR...

Mutualismos entre plantas e animais moldam os ecossistemas do mundo. Em tais interações, conseguir contato com as espécies parceiras é o ponto crítico. As plantas anunciam-se regularmente com os sinais que apelam especificamente às preferências do parceiro.

Na ilha de Bornéu, as plantas carnívoras desenvolveram uma relação intrigante com os morcegos.

As plantas oferecem aos morcegos um lugar relativamente fresco para como poleiro, livre de parasitas e competições com outros morcegos. Em troca, os morcegos mantem as plantas bem adubadas com os seus excrementos.

Agora, o Dr. Michael Schöner do Ernst-Moritz-Arndt-Universidade de Greifswald e co-autores mostram que as plantas dependem de estruturas especiais para refletirem essas chamadas de ultra-sons para os morcegos. Essa adaptação faz das plantas com que sejam mais fáceis de se econtrar para os morcegos no meio de tantas  plantas na floresta desordenada.

"Com essas estruturas, essas plantas são capazes de levantar acusticamente para fora de seus ambientes para que os morcegos poçam facilmente encontrá-los. Além disso, os morcegos são claramente capazes de distinguir a planta carnívora de outras plantas que são semelhantes em forma, mas não têm o reflector conspícuo ", explicou o Dr. Schöner.

Para manter o mutualismo, as plantas carnívoras apelaram especificamente a percepção dos seus parceiros animais. Crédito da imagem: Michael G. Schöner et al / C.C. Lee / M.D. Tuttle.
Em seu estudo, o Dr. Schöner e seus colegas se perguntaram como essas plantas carnívoras (Nepenthes hemsleyana) e os morcegos de Hardwicke (Kerivoula hardwickii) encontram um ao outro.

Em Bornéu, os cientistas usaram uma cabeça de morcego biomimético artificial que emite e registra ultra-sonografias para testar a refletividade acústica dessas plantas de diferentes posições e ângulos. Esse experimento descobriu uma forte reflexão do eco das paredes traseiras das plntas canívoras, onde a forma de planta funciona perfeitamente como um refletor eficaz.

Experimentos comportamentais mostraram que os morcegos respondem a esses sons ecoando de volta para eles a partir das plantas.

Os morcegos são os melhores em encontrar plantas carnívoras parcialmente ocultos quando seus refletores estavam intactos do que quando o refletor tinha sido reduzido. Os morcegos também escolheram plantas carnívoras com mais freqüência como os melhores lugares para alojar-se quando o refletor não tinha sido reduzido.


Veja um vídeo para demostração da atividade dos morcegos (clique duas vezes na tela do vídeo para amplia-lo):

video

"As plantas carnívoras em geral já tinham resolvido o problema da deficiência de nutrientes de uma maneira muito incomum, invertendo do sistema normal de animais que se alimentam de plantas," disse o Dr. Schöner.

"É ainda mais surpreendente que, no caso de Nepenthes hemsleyana o sistema está tomando um novo rumo."

"Enquanto Nepenthes hemsleyana tem características muito reduzidas que atraem insetos, é óbvio que apresenta algumas características que são altamente atraente para uma espécie que fornecem as plantas com nutrientes sem ser digerida pela própria usina", disse ele.

Fonte: Sri-news.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário