quarta-feira, 18 de março de 2015

Declínio no número de abelhas traria desnutrição a nações pobres

Espécies polinizadoras respondem por até 40% da oferta de nutrientes em todo o mundo.

 https://bio-orbis.blogspot.com/2015/03/declinio-no-numero-de-abelhas-traria.html

VAMOS DESCOBRIR...

Um novo estudo mostra que metade das pessoas em alguns países em desenvolvimento podem estar em risco de desnutrição se continuar o declínio de espécies polinizadoras, como as abelhas.

Apesar do saber popular de que elas são cruciais para a nutrição humana, nenhum trabalho científico tinha provado isto até agora. O estudo, das universidades de Vermont e Harvard, ligou pela primeira vez o que as pessoas realmente comem em quatro países em desenvolvimento com as necessidades de polinizadores para as plantas que lhes fornecem alimentação e nutrientes.

“A resposta é: o declínio de polinizadores realmente importa para a saúde humana, e os números são alarmantes no caso de deficiência de vitamina A, por exemplo”, afirma Taylor Ricketts, de Vermont, e co-autor do estudo. Estas espécies respondem por até 40% da oferta de nutrientes em todo o mundo.

A pesquisa revela que em algumas populações, como partes de Moçambique estudadas – onde crianças e mães mal tem chance de conseguir os micronutrientes necessários, como a vitamina A – o desaparecimento pode levar 56% das pessoas a uma situação de desnutrição.

De novo no caso da vitamina A, segundo o trabalho publicado no Plos One, sua falta pode levar a cegueira e maiores taxas de mortalidade por doenças já disseminadas em países pobres, em especial a malária. A “fome oculta“, dizem os cientistas, afeta no momento mais de 25% da população mundial.

Ricketts argumenta que, com os resultados produzidos por sua equipe, deve-se agora considerar medidas de proteção dos polinizadores como uma questão internacional de interesse humano, e não apenas para insetos e amantes da natureza. “Os danos ao ecossistema causam danos à saúde”, afirmou ele, de acordo com a Nature World News.

Nenhum comentário:

Postar um comentário