quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Saurópode de Cauda Longa

Se o assunto é derrubar seus predadores a base de "rabadas" é com esse dinossauro aqui. Com músculos capazes de jogar longe seus adversários, conheçam o Mapudungun.

 https://bio-orbis.blogspot.com/2015/01/sauropode-de-cauda-longa.html
Esta é a impressão de um artista de como seria em vida o Leinkupal laticauda, derrubando seus adversários carnívoros menores. Crédito da imagem: © Jorge Antonio Gonzalez.

VAMOS DESCOBRIR...

Paleontólogos liderados pelo Dr. Pablo Gallina do CONICET em Buenos Aires descobriram um novo dinossauro saurópode que viveu no que hoje é a Argentina durante o período Cretáceo, entre 146 e 100 milhões de anos.

Esse nosso amigo de cauda longa e de pescoço comprido foi nomeado Leinkupal laticauda.

O nome genérico, Leinkupal, é derivado da Mapudungun (a língua da nação Mapuche nativo americano que habita noroeste Patagonia) palavras 'lein '(fuga) e' kupal '(família).

O nome da espécie, laticauda, é derivado das palavras latinas "lati '(largura) e 'cauda '(cauda), referindo-se ao longa cauda que o dinossauro possuía evidenciado pela extensão lateral dos processos transversais em vértebras caudais.

Leinkupal laticauda pertence à família Diplodocidae, um grupo de dinossauros saurópodes registrados em estratos do Jurássico da América do Norte, Europa, África e conhecida por seus corpos grandes, bem como pescoços e caudas extremamente longos.

De acordo com um artigo publicado na revista de acesso aberto PLoS ONE, Leinkupal laticauda é o primeiro diplodocide descoberto na América do Sul, o segundo diplodocide confirmado do antigo continente Gondwana e o registro mais novo da família dos Diplodocidae no mundo.



Vértebras caudais da Leinkupal laticaudaCrédito da imagem: Gallina PA et al.
Seus ossos fósseis foram encontrados na Formação Bajada Colorada da província de Neuquén, na Patagônia, Argentina.

Embora seus ossos estejam fragmentados, Dr Gallina e seus colegas encontraram diferenças entre Leinkupal laticauda e outras espécies de diplodocide da América do Norte e África, nas vértebras da cauda, onde se conecta ao corpo.

Os paleontólogos estimam que Leinkupal laticauda poderia chegar a 9 metros de comprimento.

"Desde os primeiros Leinkupal laticauda, aparentemente eles apareceram muito mais tarde do que seus primos africanos e norte-americanos, sua existência sugere que a suposta extinção da família Diplodocidae foi por volta do final do Jurássico ou início do período Cretáceo e que não ocorreu pelo resto do mundo, mas que o clado sobreviveu na América do Sul, pelo menos durante parte do Cretáceo Inferior ", disseram.

Fonte: Sri-News.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário