terça-feira, 23 de setembro de 2014

10 novas espécies descobertas em 2014

Dez novas espécies foram batizadas por um comitê internacional de taxonomistas e outros especialistas.

 https://bio-orbis.blogspot.com/2014/09/10-novas-especies-descobertas-em-2014.html

VAMOS DESCOBRIR...

O anúncio da lista anual, iniciada em 2008, coincide com o aniversário de Carolus Linnaeus (em português, Carlos Lineu), um botânico sueco do século 18 que é considerado o pai da nova taxonomia.

Olinguito (Bassaricyon neblina)

Uma das estrelas da lista é o olinguito (Bassaricyon neblina), do Equador, um mamífero parecido com um bicho de pelúcia.


"Do ponto de vista científico, o olinguito é extraordinário por ser o primeiro mamífero carnívoro descoberto no Novo Mundo em 35 anos", afirma Quentin Wheeler , presidente da Faculdade de Ciências Ambientais e Florestais SUNY, diretor do projeto da lista. "Ciência à parte, vamos admitir: o olinguito é muito fofo".

Árvore-dragão-de-kaweesak (Dracaena kaweesakii)


A imponente árvore-dragão-de-kaweesak (Dracaena kaweesakii) parece saída da saga Game of Thrones, e por incrível que pareça, só foi descoberta recentemente.

"Se não conhecíamos uma espécie de árvore tão bonita, com mais de doze metros de altura, o que mais não sabemos sobre a flora e fauna da Tailândia ?", indaga Wheeler. "A árvore-dragão é uma testemunha da nossa ignorância sobre as espécies do mundo".

Anêmona ANDRILL


Ainda não está claro como a anêmona ANDRILL (sigla em inglês do Programa de Perfuração Geológica da Antártida) consegue resistir às condições de seu habitat. É a primeira espécie de anêmona-do-mar conhecida a viver no gelo. Com menos de 2,5 centímetros, esses animais se enterram nas plataformas de gelo e balançam seus 24 tentáculos na água gélida, logo abaixo.

"Como vive com o corpo enterrado sob as geleiras, essa anêmona incrível nos revela um habitat que nem imaginávamos que existia", comemora Wheeler. "Como o personagem de Jeff Goldblum no filme 'Parque dos Dinossauros', é mais uma prova de que a vida sempre encontra um caminho".

Camarão-esqueleto (Liropus minusculus)


"O novo camarão-esqueleto (Liropus minusculus) tem uma aparência muito peculiar, e é uma prova das criaturas incomuns e surpreendentes que existem no vasto mundo dos animais invertebrados", diz Wheeler.

O camarão, o menor de seu gênero, foi encontrado nas cavernas da ilha de Santa Catalina, no litoral sul da Califórnia. As fêmeas medem menos de 25 milímetros e os machos são um pouco maiores, chegando a 50 milímetros.



Notável pelo tom alaranjado de suas colônias, o fungo Orange penicillium recebeu este nome em homenagem à família real holandesa.

"Além das colônias de um laranja berrante ("orange", em inglês), essa nova espécie de fungo se forma sobre placas de ágar. Seu nome é uma homenagem ao Príncipe de Orange, o que faz dele um fungo digno da realeza", brinca Wheeler.

O fungo também produz uma estrutura semelhante a um lençol, que o recobre e ajuda a reter a umidade.

Saltuarius eximius

Não é fácil enxergar esta lagartixa, a Saltuarius eximius, tamanha é a perfeição de sua camuflagem.


"Todo mundo conhece animais que exibem adaptações para se camuflar, como o bicho-pau, mas a cauda estranhamente longa dessa lagartixa, aliada à sua coloração, confundem nossa imagem preconcebida de um lagarto", explica Wheeler.

Nativa de florestas tropicais e habitats rochosos, a lagartixa vive nas superfícies verticais de rochas e árvores, onde espreita suas presas. Os pesquisadores não encontraram nenhum outro exemplar dessa espécie em habitats similares, um indício de sua raridade. A lagartixa foi descoberta em uma floresta tropical isolada na cordilheira do Cabo Melville, no leste da Austrália.

Spiculosiphon oceana


"Fiquei surpreso com a complexidade deste organismo unicelular (Spiculosiphon oceana)", comenta Wheeler. "A forma como ele usa os ferrões para construir sua concha é muito interessante, mas sua capacidade de usá-los para imitar o estilo de alimentação das esponjas é impressionante".

A criatura, que tem entre é 3,8 cm e 5 cm de altura, é um verdadeiro gigante no mundo dos organismos unicelulares. Para imitar uma esponja carnívora, ele reúne fragmentos de esponjas como se fossem peças de Lego para formar uma concha.

Essa espécie incomum foi descoberta em cavernas submarinas a 50 quilômetros da costa sudeste da Espanha. Coincidência ou não, são as mesmas cavernas onde as primeiras esponjas carnívoras foram identificadas.

Tersicoccus phoenicis


Encontrada em salas onde são montadas naves espaciais, esta nova espécie microbiana, Tersicoccus phoenicis, poderia contaminar outros planetas, algo que os cientistas querem evitar já que ela é extremamente resistente.

A Tersicoccus phoenicis foi encontrada no piso de duas salas separadas e desinfetadas, a 4 mil quilômetros de distância uma da outra, uma na Flórida e outra na Guiana Francesa.

"Diante dos esforços constantes para matar qualquer micróbio nas instalações de montagem de naves espaciais, encontrar a mesma espécie nova em duas salas diferentes, separadas por milhares de quilômetros, é realmente impressionante ", diz Wheeler. "Espécies como essa também nos mostram que a vida pode existir em outros planetas mesmo em condições extremas".

Vespa-fada Tinkerbell


A vespa-fada Tinkerbell (nome da personagem Sininho, de Peter Pan, em inglês), Tinkerbella nana, foi encontrada em uma floresta da Costa Rica. Medindo apenas 0,25 milímetros, é um dos menores insetos conhecidos.

"A referência à fada Sininho é um lembrete perfeito da existência desses parasitoides incríveis ", comenta Wheeler. " Minúsculos e delicados, os insetos desse gênero têm uma história de sucesso evolutivo; são mais de 1.400 espécies e cada uma delas ataca os ovos de outros insetos".

"Achei incrível que todas as estruturas que formam uma vespa consigam se encaixar em uma forma tão microscópica. Ela é incrivelmente menor que o protozoário ameboide que também figura na lista deste ano", acrescenta.

Zospeum tholussum


Vivendo na mais completa escuridão, mais de 900 metros abaixo da superfície, nas cavernas Lukina Jama-Trojama, na Croácia, esta é a lesma cega Zospeum tholussum. Sua concha também não tem pigmentação, o que lhe confere uma aparência fantasmagórica.

Até mesmo para os padrões das lesmas, a Zospeum tholossum se move lentamente, arrastando-se bem menos de 25 milímetros por semana. Os investigadores acreditam que esses minúsculos caracóis, que medem apenas 2 milímetros de comprimento , viajam longas distâncias nas correntes marinhas ou pegam carona em outros animais das cavernas, como morcegos ou grilos.

"Vivendo a quase um quilômetro da superfície, dentro de uma caverna, essa diminuta espécie nos obriga a reconhecer a magnitude da nossa biosfera ", afirma Wheeler. "De esporos fúngicos que são transportados pelas correntes de ar, milhares de metros acima de nós, a animais como este, que vivem milhares de metros abaixo da superfície, só podemos concluir que a biosfera não é um fino véu, mas uma teia complexa com muitas camadas de seres vivos".

Fonte: Discovery

INCRÍVEIS ESPÉCIES. MAS NÃO DEIXE DE VER MAIS AQUI ABAIXO, É SÓ CLICAR NAS IMAGENS E NOS TÍTULOS PARA ACESSAR OS LINKS:

Novas espécies - World Wildlife Fund (WWF)

 https://bio-orbis.blogspot.com.br/2015/10/novas-especies-world-wildlife-fund-wwf.html


Nenhum comentário:

Postar um comentário